calendarioPublicado em 5 de jan de 2018 - Por Mariana Castro

Se você nunca teve, ao menos conhece alguém que já sofreu de gastrite. A condição é comum, mas causa muito desconforto estomacal e precisa ser tratada para que não gere consequências mais graves. O mesmo acontece com os animais, que precisam de atenção redobrada uma vez que não podem comunicar suas queixas.

+ Animais podem sofrer um AVC?

A gastrite é uma irritação da mucosa gástrica, que pode se estender para as camadas mais profundas da parede do estômago e até mesmo se tornar crônica. A princípio, qualquer animal pode desenvolvê-la. Entretanto, a condição é mais comum em cães, existindo inclusive algumas raças com predisposição genética para ela.

“Alvos comuns são os filhotes, devido à ingestão acidental de corpos estranhos, e animais idosos, em decorrência de alergias, doenças já existentes, alterações anatômicas e o uso crônico de medicamentos”, revela Marcelo Quinzani, médico veterinário e diretor clínico do Hospital Veterinário Pet Care.

Uma das causas da gastrite em animais é a imprudência alimentar, além da ingestão de corpos estranhos.

Diversos fatores podem causar essa resposta inflamatória no corpo. “Alguns deles são a ingestão de toxinas, venenos e corpos estranhos, bactérias, alergias e imprudências alimentares, doenças crônicas, como insuficiência renal, doenças metabólicas e imunomediadas, o uso de medicamentos como antibióticos ou anti-inflamatórios e até mesmo estresse”, explica o veterinário.

O animal pode desenvolver tanto a gastrite aguda quanto a crônica. Na maioria dos casos das gastrites agudas, há a ocorrência de vômitos frequentes, podendo conter a presença de sangue. “Esses casos são mais graves e o animal deve ser encaminhado imediatamente ao médico veterinário”, alerta Marcelo. “Nas gastrites crônicas, observamos vômitos esporádicos e sintomas de doença inespecífica”, continua ele. Em todos os casos, o médico veterinário deve ser consultado.

+ Dicas para cuidar da coluna do pet

Outros sintomas da condição podem ser inapetência, perda de peso, regurgitação, náuseas e anemia. O diagnóstico é feito através do histórico alimentar e de vômitos (se são diários, se acontecem sempre que o cão se alimenta ou até de estômago vazio, por exemplo), além de exames de ultrassom, raio-X e endoscopia.

Como tratar?

O tratamento da gastrite em animais dependerá de sua causa e tempo de evolução. Além de eliminar a causa, o objetivo do veterinário é controlar os vômitos e proteger a mucosa gástrica. Para isso, um manejo alimentar costuma ser indicado, além do uso de medicamentos. “É recomendado oferecer uma dieta hipoalergênica e de fácil digestão”, indica o veterinário.

Manter hábitos alimentares regrados, oferecendo o alimento em porções menores e de duas a três vezes por dia, é o primeiro passo para prevenir a gastrite animal. Além disso, evite oferecer alimentos fora da dieta e, principalmente, que não sejam indicados para consumo animal.

Fotos: Getty Images

Mariana Castro

Jornalista apaixonada por todos os seres vivos. Enquanto não realiza seu sonho de ter um cachorrinho, segue escrevendo sobre eles e se apaixonando por vira-latas de terceiros.

Comentários

  • Lex Bit

    Ótima descrição da autora … hahahahaah