Ração seca x ração úmida: qual oferecer para o seu pet?

Convivência com animais previne asma em crianças, diz estudo

calendarioPublicado em 4 de out de 2017 - Por Mariana Castro

Pessoas alérgicas, muitas vezes, acreditam que não podem ter pets em casa por conta dos problemas respiratórios atribuídos aos seus pelos. Mas, segundo novos estudos, conviver com animais enquanto crianças pode evitar o desenvolvimento da asma. E, acredite se quiser, isso inclui baratas e ratos!

Para a pesquisa, 442 crianças foram monitoradas ao longo de seus sete primeiros anos de vida. Dessas, 130 eram asmáticas. Foram coletadas amostras de poeira de suas casas, a fim de estudar os alérgenos responsáveis por piorar os sintomas e causar as crises respiratórias.

Os resultados revelaram que a exposição a gatos, ratos e baratas até os 3 anos de idade reduz os riscos do desenvolvimento da doença. Uma associação parecida foi feita com relação às amostras de cães encontradas, mas não de forma tão expressiva. “Nossas observações ainda sugerem que alguns tipos de bactérias encontradas podem reduzir o risco de asma em crianças dessa idade”, relatou James Gern, principal autor do estudo e professor da Universidade do Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, ao Science Daily.

+ Saiba quais são as alergias mais comuns em cães e gatos

+ Conheça algumas plantas que são tóxicas para os pets

Por outro lado, os fatores que podem aumentar a probabilidade da condição em crianças são a exposição pré-natal à fumaça do cigarro, ao estresse e à depressão por parte da mãe. “Estamos aprendendo cada vez mais sobre como o ambiente na primeira fase da vida pode influenciar o desenvolvimento de certas condições de saúde”, revelou Anthony Fauci, um dos pesquisadores e diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas.  “Se pudermos desenvolver estratégias para prevenir a asma antes de seu desenvolvimento, aliviaremos as crises que a doença provoca em milhões de pessoas pelo mundo”, completou ele.

Foto: Getty Images

Mariana Castro

No processo de se formar em jornalismo e convencer a mãe a ter um cachorrinho, sendo o segundo muito mais desafiador. No momento, o mais próximo que tem de algo de estimação é seu cacto, a Amélia. Enquanto isso, segue escrevendo e se apaixonando por vira-latas de terceiros.

Comentários