Exposição retrata o afeto entre moradores de ruas e seus pets

Dicas e truques para medicar o seu animal de estimação

calendarioPublicado em 30 de out de 2015 - Por Patricia Machado

Quando o nosso amiguinho fica doente, é comum que o veterinário prescreva um medicamento para que ele se recupere logo. O problema é que conseguir dar ou aplicar o remédio no animal é uma árdua batalha – ainda mais se os responsáveis por essa missão forem tutores de primeira viagem.

+ Apps essenciais para quem tem um animal de estimação

+ Cuidados com o pet na hora do banho

“Os remédios têm odores, gostos e texturas diferentes. Isso fará com que o animal goste ou não do medicamento. Caso o pet não goste do remédio, ele fará de tudo para rejeitar a aplicação ou ingestão do mesmo”, explica Eduardo Fernandez, médico veterinário e diretor da unidade Ibirapuera do hospital veterinário Pet Care, em São Paulo.

remédio cães 2

A principal diferença entre ministrar medicamentos em gatos e em cachorros é que os bichanos tendem a ser mais ágeis e menos obedientes. Por isso, dar remédios para um felino é mais difícil do que para um cão. “Os gatos conseguem se esconder com mais facilidade, podem arranhar seus donos e se estressam mais rapidamente. Esses fatores tornam o processo de medicação de gatos mais difícil”, diz Eduardo.

+ Por que os gatos gostam de arranhar tudo?

Existem três tipos principais de medicamentos para cães e gatos. Os remédios podem ser fabricados em forma de comprimido, líquido ou spray. “Não tem como determinar qual é o tipo de medicamento mais fácil de ser administrado. Isso depende da reação de cada animal ao remédio”, afirma o médico veterinário.

Para os tutores de primeira viagem, algumas dicas ajudam na hora de dar o medicamento:

  • Aplique o medicamento em um ambiente tranquilo
  • Determine que apenas uma mesma pessoa dê o remédio. Isso ajuda o pet a se acostumar ao medicamento
  • Procure não estressar o animal
  • Brique com o animal antes e depois de aplicar o medicamento
  • Passeie com o pet antes ou depois de dar o remédio

“O dono do animal deve transformar esse momento em algo divertido para que o pet não tenha traumas ao precisar tomar um medicamento”, explica Eduardo.

Mas, caso o pet se recuse a tomar o medicamento, alguns truques podem ajudar nessa tarefa. Pedimos para que o médico veterinário Eduardo Fernandez reunisse algumas dicas. Dê uma olhada:

Comprimidos

Procure colocar o medicamento em alimentos apetitosos como frutas e petiscos. A ideia é que o animal tome o medicamento sem perceber. Mas como os pets são espertos, preste atenção durante cerca de 30 minutos para ver se o animal não cuspiu o medicamento. Caso isso aconteça, coloque o remédios em alimentos consistentes capazes de grudar e envolver o mesmo. Use, por exemplo, requeijão ou creme de leite. “Evite utilizar esse tipo de alimento com frequência porque ele pode provocar alterações metabólicas no animal”, alerta o médico veterinário.

Remédios líquidos

O truque é dar o medicamento com o auxílio de uma seringa. “Coloque a seringa no canto da boca e mantenha a boca do animal fechada. Aos poucos, vá inserindo o remédio. A tendência é que o animal comece a lamber o medicamento porque o mesmo passa entre os dentes do animal”, orienta Eduardo. Apenas tome cuidado para que o pet não engasgue.

Spray

Distraia o animal enquanto você aplica o medicamento. Após o procedimento, verifique se o pet não vai lamber o remédio. Caso isso aconteça, comece a distrair o bichinho novamente. “Tome cuidado para não aplicar o medicamento no olho do animal. Isso pode irritar a mucosa do olho e gerar lesões mais graves”, explica o médico veterinário.

+ Pet Sitter: conheça os benefícios de contratar uma babá para o seu pet

No entanto, alguns animais são mais bravos e não permitem que o dono dê remédio ao pet. Quando isso acontece, a dica é conversar com o veterinário para avaliar a real necessidade daquele medicamento e analisar a possibilidade de aplicar remédios injetáveis.

“Alguns animais se estressam muito durante a aplicação da medicação. Por isso, em muitos casos, é necessário avaliar se o esforço do pet vai valer a pena quando comparado ao benefício que o remédio pode trazer”, explica Eduardo.

Patricia Machado

Jornalista especializada em pets graças às aventuras vividas ao lado da lhasa apso Maya, a cachorra mais fofa do mundo! No futuro, deseja ter um porco e uma cadela chamada Matilda!

Comentários