calendarioPublicado em 23 de jun de 2016 - Por Camila Natalo

Apesar de muito se falar que os gatos são animais independentes e podem ficar muito bem sozinhos, muitas vezes nós, tutores, é que não aguentamos ficar longe dos nossos pets. E quando aparece a primeira oportunidade de viajar, como férias, feriados, final de ano ou recesso, por que não levá-los juntos?

+ Dicas para viajar com o cachorro

+ Mitos e verdades sobre os gatos

Se você nunca viajou com o seu gato por receio ou simplesmente porque não tem ideia de como traçar esse planejamento, conversamos com a médica veterinária Vanice Allemand, especialista em felinos do Hospital Veterinário Pet Care, em São Paulo, para tirar as principais dúvidas sobre viajar com gatos. Veja:

A partir de qual idade posso levar meu gato para viajar?

Primeiramente, é importante saber que, para a maioria dos gatos, a viagem é realmente uma experiência muito estressante. Caso a viagem seja imprescindível, alguns cuidados podem ser tomados para que ela seja menos desconfortável. Gatinhos muito jovens, que ainda estejam sendo amamentados por suas mães, não devem ser separados delas. A viagem também é contraindicada no caso de animais que apresentem alguma doença respiratória ou cardíaca.

Viagem de avião

Para viajar de avião junto do seu bichano é preciso fazer uma reserva com antecedência e informar a necessidade à companhia aérea. Também existe um custo adicional de transporte. É possível fazer o transporte na cabine, porém existe um limite de peso determinado por cada companhia, que varia de 5kg a 10kg, contando com o peso da caixa de transporte, que deve ter de 22cm de altura x 43cm de profundidade e 32cm de largura, devidamente identificados. Os pets acima do peso determinado são direcionados para o compartimento de carga do avião.

Também há uma idade mínima para viajar, que é de 10 semanas. No caso de viagens nacionais, é necessária a apresentação da carteira atualizada de vacinação (sendo essencial a antirrábica) e vermifugação. Já para viagens internacionais é obrigatório apresentar o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI), obtido através de uma consulta com um médico veterinário do Ministério da Agricultura. Também não podemos esquecer de consultar as exigências do país de destino para providenciar os documentos específicos.

Qual item é essencial em viagens de ônibus?

Em viagens de ônibus também são exigidos o atestado de saúde emitido pelo veterinário e a carteirinha de vacinação atualizada, sendo essencial a vacina antirrábica. Entretanto, esta vacina só é recomendada a partir dos 3 meses de idade, o que impossibilita o transporte de animais mais jovens do que isso.

Existe algum preparo especial antes da viagem, seja ela de carro, ônibus ou avião?

O preparo é fundamental. A caixa de transporte deve ser deixada em um local onde os gatinhos fiquem bastante. O contato com a caixa deve ser incentivado, por exemplo, colocando-se petiscos dentro dela, para que eles tenham interesse em entrar e sair dela. Quando os animais já estiverem confortáveis com a caixa, é possível fazer o mesmo procedimento com o carro, para que ele não tenha medo de entrar no mesmo.

A utilização de ferormônio felino em spray na caixa de transporte e no carro, 15 minutos antes de colocar o animal, também vai minimizar o stress. Para isso, também é recomendado evitar ruídos (o rádio do carro deve estar desligado, evitar arrancadas e freadas bruscas, viajar com as janelas fechadas, etc). Passeios curtos de carro podem ser realizados antes da viagem mais longa, para que o animal se acostume com o transporte.

O que é imprescindível levar nas viagens?

Além da caixa de transporte, dos potes de comida e água e da caixa de areia, é aconselhável que a caminha e cobertas do gato sejam levados, além de seus brinquedos favoritos e petiscos. A caixa de transporte pode ser forrada com tapete higiênico e devem ser levados outros tapetes limpos para troca, se necessário.

São recomendadas paradas durante as viagens de carro?

As paradas podem ser feitas durante a viagem de carro, mas o gato não deve ser retirado do veículo, a menos que ele esteja seguramente preso em coleira, pois o risco de que ele escape é muito grande. Devemos lembrar que gatos são muito ágeis, se assustam com facilidade e podem fugir em situações de estresse. Diferentemente dos cachorros, dificilmente eles vão conseguir fazer suas necessidades em um local estranho, onde não se sintam seguros.

E como fica a alimentação?

Evite alimentar o gato antes da viagem. Em casos de viagens muito longas, tente oferecer ração úmida, pois esta é uma forma de proporcionamos a ingestão de líquido também.

Como eu sei se meu gato está com vontade de fazer as necessidades, no caso de viagens de ônibus ou carro? 

Ele pode começar a ficar agitado, irritadiço ou começar a miar. Por isso é importante forrar a caixinha com tapete higiênico.

Devo dar algum medicamento para evitar enjoos e tornar a viagem mais tranquila para o felino?

A maneira mais eficaz para evitarmos enjoos é deixar o gato em jejum de alimento 2 horas antes da viagem, e de água uma hora antes. Se ainda assim o animal tiver náusea, o veterinário deve ser consultado sobre a medicação que pode ser utilizada. Da mesma forma, o uso de sedativos deve ser evitado. Em casos extremos, consulte um veterinário.

Camila Natalo

Jornalista, adoradora de felinos, cachorros (especialmente buldogues franceses) e porquinhos. Eterna dona do schnauzer Tock e muitos – muitos gatos – entre eles os mutantes (brinks!) Michelangelo, Donatello, Raphael e Leonardo.

Comentários