calendarioPublicado em 18 de out de 2016 - Por Mariana Castro

Fotografias chocantes revelaram um novo e cruel comércio nas florestas tropicais da Birmânia, no sul da Ásia. Um elefante asiático foi visto morto, com o corpo ensanguentado e feridas expostas, deixado no córrego de uma montanha por um caçador. Ele foi apenas mais uma vítima da crescente demanda por pele de elefante, que é utilizada para fazer peças de joalheria e, segundo os comerciantes, seriam capazes de afastar problemas de saúde.

+ Caça mata 30% dos elefantes africanos em 7 anos

Dados alarmantes do governo do país sugerem que a caça de elefantes aumentou 25% entre 2013 e 2015. Recentemente, foram apreendidos 421 quilos de couro do animal no sudoeste da China, além de vários estoques de pele na Birmânia. Segundo fontes não oficias, pelo menos 50 elefantes foram assassinados desta forma brutal nos últimos meses. Os investigadores rastrearam a matança seguindo as carcaças deixadas pelos caçadores.

elefante-1-reproducao

O couro retirado é enviado para a China, onde é processado e vendido apesar da proibição internacional para esse tipo de comércio. As investigações fazem parte de uma ação secreta financiada pela Elephant Family, instituição britânica de proteção a elefantes asiáticos. Disfarçando-se de compradores, eles encontraram um comércio internacional de animais ameaçados de extinção.

+ Brasil irá abrigar o primeiro santuário de elefantes da America Latina

Estimativas sugerem que restam apenas dois mil animais selvagens na Birmânia hoje. Nos últimos 40 anos, a população de elefantes asiáticos, por exemplo, caiu pela metade. “Acreditamos que os comerciantes se tornaram mais cautelosos devido às pressões para acabar com o comércio internacional de marfim e, por isso, procuraram criar um novo mercado de peles”, falou um dos investigadores ao Daily Mail.

elefante-2-reproducao

Fotos: Reprodução

Mariana Castro

No processo de se formar em jornalismo e convencer a mãe a ter um cachorrinho, sendo o segundo muito mais desafiador. No momento, o mais próximo que tem de algo de estimação é seu cacto, a Amélia. Enquanto isso, segue escrevendo e se apaixonando por vira-latas de terceiros.

Comentários

  • Luciano José de Mello

    Vá morar com amigas e tenha um cachorrinho, tua mãe vai sentir tua falta, aí tu diz que só volta com o cachorrinho.