Pato presta apoio emocional aos passageiros de um voo nos Estados Unidos

Gatinho de rua encontrado com a coluna vertebral quebrada pode pular novamente

calendarioPublicado em 19 de out de 2016 - Por Mariana Castro

Encontrado à beira de uma estrada com a coluna vertebral quebrada, um pequeno gato laranja voltou, finalmente, a correr, pular e agir como um gato. Ele quase ficou paralítico, não fosse um homem que o resgatou e lhe devolveu a chance de receber todo o cuidado de quem ama verdadeiramente os animais.

Batizado de Davey, o bichano estava com graves lesões na coluna e precisou ser encaminhado para o Savanna Animal Hospital, em Jensen Beach, na Flórida. Lá, ele conheceu Danica Gingras, uma técnica veterinária que não resistiu aos seus encantos e se apaixonou.

+ Homem trabalha no resgate de filhotes de gato por 7 horas

Gingras abrigou Davey em sua casa, cuidando dele 24 horas por dia para que ele tivesse alguma chance de sobreviver. “Ele ia comigo para o trabalho todos os dias durante esse tempo”, contou ela ao The Dodo. Oakley, o cachorro da família, se prontificou em proteger seu novo amigo enquanto ele se recuperava.

gato-com-coluna-quebrada-4-reproducao

Davey teve que passar um tempo com a cervical imobilizada mas, após recuperar os movimentos, voltou a andar em poucos dias. “Um mês depois, e com muita fisioterapia, ele já corre pela casa feito um louco”, conta Gingras. Ele ainda ganhou um lar permanente, uma vez que a família Gingras decidiu adotá-lo ao perceber que não conseguiria mais ficar sem ele.

+ Fotógrafa retrata gatos cegos para incentivar a adoção

+ Gato “persegue” soldado até conseguir ser adotado por ele

“Eu estou muito feliz em dizer que decidimos adotá-lo com o novo nome de Beans (feijão, em inglês)”, conta ela. “Minha enteada escolheu esse nome pois disse que, enquanto ele estava imobilizado, ele parecia um burrito de feijão”.

gato-com-coluna-quebrada-2-reproducao

gato-com-coluna-quebrada-5-reproducao
gato-com-coluna-quebrada-3-reproducao

Fotos: Reprodução

Mariana Castro

No processo de se formar em jornalismo e convencer a mãe a ter um cachorrinho, sendo o segundo muito mais desafiador. No momento, o mais próximo que tem de algo de estimação é seu cacto, a Amélia. Enquanto isso, segue escrevendo e se apaixonando por vira-latas de terceiros.

Comentários