calendarioPublicado em 18 de maio de 2017 - Por Mariana Castro

Com a queda das temperaturas, a umidade do ar também diminui. Tanto para os seres humanos quanto para os animais, isso pode causar o ressecamento da pele. Para os cães, a consequência é uma coceira intensa e constante que pode gerar ferimentos e outras doenças na epiderme. Por isso, é preciso ter alguns cuidados extras com os pets durante esta época do ano para evitar danos maiores.

+ Como proteger o seu pet das doenças típicas do inverno? 

+ Exposição ao ar-condicionado aumenta o risco de doenças respiratórias em animais

O ressecamento da pele canina pode acontecer em qualquer estação, mas, como o inverno brasileiro é muito seco, a condição aparece com mais frequência, independente da raça ou idade do cachorro. Para evitar o problema, a hidratação é o melhor remédio. Segundo Fabiana Zerbini, veterinária da Virbac, a dica é a utilização de xampus e condicionadores hidratantes.

Além disso, é recomendado que se diminua a frequência de banho nos pets, uma vez que isso retira a oleosidade natural da pele. “Eles podem passar de banhos semanais para quinzenais, sempre feitos no horário mais quente do dia. É preciso também estar atento à temperatura da água, evitando água muito quente e secadores”, orienta a especialista.

+ Cuidados com passarinhos no inverno

A pele ressecada ocasiona, principalmente, coceira. Em excesso, isso pode causar perda de pelo na região, além de lesões causadas pelo ato de coçar. “Essas condições favorecem a proliferação de fungos e bactérias, gerando infecções mais graves”, alerta Fabiana. Outra consequência do ressecamento é a seborreia, que é a descamação da pele.

Foto: Getty Images

Mariana Castro

No processo de se formar em jornalismo e convencer a mãe a ter um cachorrinho, sendo o segundo muito mais desafiador. No momento, o mais próximo que tem de algo de estimação é seu cacto, a Amélia. Enquanto isso, segue escrevendo e se apaixonando por vira-latas de terceiros.

Comentários