Doenças mais comuns em felinos

Qual é o tempo ideal entre as tosas de um cachorro?

calendarioPublicado em 16 de abr de 2018 - Por Mariana Castro

É impossível não sorrir ao ver um cachorro, que mais parecia uma bolinha de pelos, com o pelo todo curtinho. A tosa pode mudar bastante a aparência do pet, influenciando diretamente em seu bem-estar. Por isso é tão importante mantê-la em dia, não apenas para melhorar a estética, mas para garantir sua limpeza e saúde.

“Se o pelo ficar muito grande, ele pode embaraçar e causar dermatites, além de aumentar o risco de parasitas como pulgas e carrapatos”, alerta o profissional de banho e tosa da clínica S.Pet, Anderson Francisco. Os cães que estão acostumados com a tosa frequente se incomodam quando estão peludos. Por outro lado, eles chegam a ficar deprimidos após a tosa se não estiverem acostumados.

+ Como escolher e avaliar um bom serviço de banho e tosa?

+ Como minimizar a queda de pelo em pets?

Por isso, é importante ficar atento ao intervalo indicado para a tosa, que depende da raça, do tipo de pelagem e das condições de saúde do animal. No geral, esse intervalo é de, aproximadamente, quinze dias. “No poodle, por exemplo, a tosa deve ser feita uma vez ao mês, mas a tosa higiênica a cada quinze dias”, revela Anderson.

Existem diversos tipos de tosa, que variam de acordo com o padrão de cada raça. “Alguns exemplos são a tosa bebê, que deixa o pelo do animal bem curto, ou a tosa higiênica, que é apenas um controle do crescimento da pelagem”, explica o groomer. “No Schnauzer, a tosa é feita com a máquina e deixando o pelo baixo. Já no Shih Tzu, é feita na tesoura e deixando a pelagem mais longa”, conta Anderson. “Atualmente, tutores de Golden Retrivier buscam o Trimmeng, tosa específica para a raça, a fim de diminuir a quantidade de subpelo”, continua ele.

+ Tosar o pelo dos cachorros no verão ajuda a aliviar o calor?

Ao levar o animal de estimação ao petshop, é recomendado que ele tome um banho antes da tosa. Isso ajuda o profissional a identificar se há algum problema de pele, problemas articulares e até otite. “Vale destacar que, com o animal limpo, evitamos que os instrumentos de tosa, como a lâmina da máquina, sejam danificados e lesionem os animais”, ressalta o especialista.

Foto: Getty Images

Mariana Castro

Jornalista apaixonada por todos os seres vivos. Enquanto não realiza seu sonho de ter um cachorrinho, segue escrevendo sobre eles e se apaixonando por vira-latas de terceiros.

Comentários